Linkedin - Portal do Concreto Facebook - Portal do Concreto

Anterior
Próximo

DETERMINAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRANULOMÉTRICA DE AGREGADOS

 

 

1.0                  - DOCUMENTOS BÁSICOS

 

1.1                  - NM 248/01

 

2.0                  - MATERIAL BÁSICO

 

2.1              - Agregado graúdo.

2.2              - Agregado miúdo.

 

 

3.0                  - EQUIPAMENTOS

 

3.1                  - Balança de precisão 0,1g.

 

3.2                  - Estufa.

 

3.3                  - Peneiras das séries normal e intermediária, tampa e fundo.

 

3.4                  - Agitadores mecânicos.

 

3.5                  - Bandejas.

 

3.6                  - Escova ou pincel de cerdas macias.

 

3.7                  - Fundo avulso de peneiras ou encerado de lona.

 

 

4.0                  - AMOSTRA

 

4.1                  - A massa mínima por amostra de ensaio é indicada no Quadro 1.

 

QUADRO 1 - MASSA MÍNIMA POR AMOSTRA DE ENSAIO

 

 

Dimensão máxima 

característica do agregado(mm)

 Massa mínima da amostra de ensaio (Kg)

< 4,8

0,5

6,3

 3,0

> 9,5 e < 25

5,0

32 e 38

10,0

50

20,0

64 e 76

30,0

 

 

5.0                  - ENSAIOS

 

5.1                  - Secar a amostra em estufa (105-110)ºC, esfriar a temperatura ambiente e determinar sua massa (M1). Tomar a amostra (M1).

 

5.2                  - Encaixar as peneiras, previamente limpas, na ordem crescente da abertura da malha, do topo à direção da base, sendo a peneira da base um fundo adequado para o conjunto.

 

5.3                  - Colocar a amostra ou porções da mesma sobre a peneira superior do conjunto, obedecendo as quantidades contidas no Quadro 2:

 

QUADRO 2 - MASSA MÁXIMA INICIAL E FINAL ADMISSÍVEL EM CADA PENEIRA.

PENEIRA

MASSA MÁXIMA (g)

          NÚMERO

        ABERTURA

           INICIAL

           FINAL

             -

            50

          2600,0

1300,0

             -

           25,0

          2600,0

1300,0

             -

           19,0

          2000,0

1000,0

             -

           12,7

          1200,0

600,0

             -

            9,5

          900,0

450,0

             4

            4,8

          500,0

250,0

             8

            2,4

          350,0

170,0

            10

            2,0

          300,0

150,0

            12

            1,7

          250,0

120,0

            16

            1,2

          230,0

110,0

            18

            1,0

          200,0

100,0

            20

          0,840

          180,0

90,0

            30

          0,600

          160,0

80,0

            35

          0,500

          150,0

70,0

            50

          0,300

          110,0

50,0

            100

          0,150

           80,0

40,0

            200

          0,075

           50,0

25,0

 

 

5.4                  - Colocar a porção de agregado miúdo no agitador mecânico correspondente e ligá-lo por 10 minutos. No caso de agregado graúdo, colocar a porção do material no agitador correspondente e ligá-lo por 10 minutos.

 

5.5                  - Caso não seja possível a utilização de agitadores mecânicos, agitar a peneira continuamente, durante 1 minuto, até que a massa que passar na peneira seja inferior a 1% da massa da porção. A agitação manual da peneira deve ser feita em movimentos laterais e circulares alternados como mostra a Figura 1:

 

 

peneiras.JPG

 

 

                            FIGURA 1 - MOVIMENTO DO PENEIRAMENTO MANUAL.

 

5.6                  - Remover o material retido para uma bandeja apropriada. Escovar a tela em ambos os lados com o pincel ou a escova, sendo que o material removido do lado interno é considerado como retido (juntar na bandeja) e o removido do lado externo é o material passante.

 

5.7                  - Repetir os processos descritos em 6.4 e 6.5 para as outras peneiras.

 

5.8                  - Determinar a massa total do material retido na peneira.

 

 

6.0                  - CÁLCULOS

 

6.1                  - Para cada material deverão ser realizadas duas amostras de ensaio, sendo para cada uma delas calculada a porcentagem retida, em massa, em cada peneira, com aproximação de 0,1%. As amostras devem apresentar necessariamente a mesma dimensão máxima característica e, nas demais peneiras, os valores de porcentagem retida individualmente não devem diferir mais de quatro unidades de porcentagem entre si.

 

6.2                  - Calcular as porcentagens médias retida e acumulada, em cada peneira, com aproximação de 1%.

OBS.       - Quando a soma das porcentagens retidas individuais for de 99% ou 101%, deve-se acrescentar ou diminuir um ponto percentual na peneira com a maior quantidade de material retido.

 

6.3                  - Determinar a dimensão máxima característica, como sendo a abertura da malha em mm, que contenha uma porcentagem retida acumulada igual ou inferior a 5%.

 

 

 

 

6.4                  - Determinar o módulo de finura como sendo a soma das porcentagens retidas acumuladas da série normal de peneiras, dividida por 100, com aproximação de 0,01.

 

 

 


 
GOSTOU?
compartilhe em sua rede social:  
 

Últimas Notícias

DOMINGO É MAIS BARATO!...
A ENGEMIX oferece preços especiais para você realizar sua concretag...
LOJA VIRTUAL...
A Loja Virtual do Portal do Concreto está em fase final de montagem. Esp...
EQUIPE MAUÁ DE CONCRETO...
O desenvolvimento de tecnologias sustentáveis depende de uma série...

INSTITUCIONAL REDES SOCIAIS RECEBA NOSSAS NOVIDADES
Anúncie | Contato | Equipamentos | Meus Pedidos | Meu Cadastro  Facebook - Portal do Concreto  Linkedin - Portal do Concreto

 


Desenvolvido por: Dinamicsite