Linkedin - Portal do Concreto Facebook - Portal do Concreto

Anterior
Próximo

 

 

 

CONCRETO ENDURECIDO – MIGRAÇÃO DE IONS CLORETO

 

1.0                    - DOCUMENTOS BÁSICOS

 

1.1                    - ASTM C1202-94

 

 

2.0                    - EQUIPAMENTOS

 

2.1                    - Dissecador com capacidade de, no mínimo, 5 litros.

 

2.2                    - Bomba de vácuo.

 

2.3                    - Recipiente hermeticamente fechado.

 

 

3.0                    - MATERIAIS BÁSICOS

 

3.1                    - Silicone neutro para granito, pedras e concreto (Dow Corning ou equivalente).

 

3.2                    - Água destilada.

 

3.3                    - Solução de NaCl preparada da seguinte forma:

 

·            Colocar 30g de NaCL em um béquer, completar com água destilada ou deionizada até atingir 1 litro.

 

3.4                    - Solução de NaOH 0,3M preparada da seguinte forma:

 

·            Diluir 12g de NaOH em 1 litro de água destilada ou deionizada.

 

 

4.0                    - PREPARAÇÃO DA AMOSTRA

 

4.1                    - Deve ser extraída uma amostra de 100 mm de diâmetro por 51+  3 mm de altura do terço médio do corpo de prova.

 

 

4.2                    - Preparação do corpo de prova

 

4.2.1              - Ferver água (5 litros por dissecador) deixando-a resfriar à temperatura ambiente em um recipiente hermeticamente fechado.

 

4.2.2              - Deixar o corpo-de-prova secar ao ambiente por pelo menos 1 hora.

 

4.2.3              - Aplicar revestimento isolante elétrico neutro, se à base de solvente, e que sele somente a superfície lateral do corpo-de-prova (silicone para granito, pedras e concreto – Dow Corninng ou equivalente).

 

4.2.4              - Colocar os corpos-de-prova dentro do dissecador, mantendo as duas faces do corpo-de-prova expostas por 3 horas no vácuo.

 

4.2.5              - Após remover o ar da água previamente fervida, inseri-la no dissecador até que o corpo-de-prova se encontre totalmente imerso. É importante, neste passo, garantir que não haja entrada de ar no dissecador.

 

4.2.6              - Deixar o corpo-de-prova no vácuo por mais 1 hora (bomba de vácuo ligada).

 

4.2.7              - Desligar a bomba de vácuo e deixar o ar entrar no dissecador.

 

4.2.8              - Deixar o corpo-de-prova imerso por 18 + 2 horas.

 

5.0                    - PROCEDIMENTO

 

5.1                    - Tirar o corpo-de-prova da água deixando escoar o excesso e transferi-lo para um recipiente mantendo a umidade relativa controlada acima de 95%.

 

5.2                    - Colocar o corpo-de-prova na célula passando selante neutro de alta viscosidade (silicone Dow Corning para grantio, pedras e concreto) na junta célula/corpo-de-prova, cobrindo a face exposta com plástico.

 

5.3                    - Deixar o selante secar.

 

5.4                    - Repetir o processo do outro lado (tomando-se o cuidado de retirar o plástico da face oposta).

 

5.5                    - Travar com fita adesiva o corpo-de-prova na célula, a fim de impedir qualquer movimentação até que o selante esteja vulcanizado.

 

5.6                    - Encher um lado da célula com solução de NaCl a 3% em massa conectando este lado ao pólo negativo da fonte.

 

 

5.7                    - Encher o outro lado da célula com solução de NaOH a 0,3M, conectando-o ao pólo positivo da fonte.

 

5.8                    - A temperatura do corpo-de-prova, da célula e das soluções deve estar entre 20 e 25°C.

 

5.9                    - Ligar a fonte (ajustar para 0V) e o coletor de dados.

 

5.10                - Ligar o programa “Migração de Cloretos” (Data Logger).

5.11                - Realizar os procedimentos especificados em cada tela do programa:

 

5.11.1           - Desligar  a fonte e pressionar qualquer tecla.

 

5.11.2           - Ligar e ajustar a fonte para 60 V.

 

 

 

 

 

6.0                    - RESULTADOS

 

6.1                    - Abrir o arquivo gerado com os dados e plotar em um gráfico de intensidade de corrente (A) por tempo (s) os pontos encontrados, aproximando uma curva. A área abaixo da curva será a carga elétrica (C) que passou.

 

6.2                    - Comparando com a tabela seguir, teremos o resultado:

 

Carga (C)

Penetrabilidade de Cloretos

> 4000

alta

2000 – 4000

moderada

1000 – 2000

baixa

100 – 1000

muito baixa

< 100

desprezível

 

7.0                    - CUIDADOS ESPECIAIS

 

7.1                    - Evitar a presença de nitrato de cálcio ou materiais condutores na composição do concreto a fim de impedir distorções nos resultados.

 

7.2                    - Acompanhar a evolução da temperatura em cada célula. Se atingir os 90°C, esta célula deverá ser desligada.

 


 
GOSTOU?
compartilhe em sua rede social:  
 

Últimas Notícias

QUAL É A NORMA?...
O Portal do concreto tem novidades para 2015, muito mais informaçõ...
LOJA VIRTUAL...
A Loja Virtual do Portal do Concreto está em fase final de montagem. Esp...
EQUIPE MAUÁ DE CONCRETO...
O desenvolvimento de tecnologias sustentáveis depende de uma série...

INSTITUCIONAL REDES SOCIAIS RECEBA NOSSAS NOVIDADES
Anúncie | Contato | Equipamentos | Meus Pedidos | Meu Cadastro  Facebook - Portal do Concreto  Linkedin - Portal do Concreto

 


Desenvolvido por: Dinamicsite